20 de setembro de 2011

Madura-idade


Amiúde eu matuto
Esta tal maturidade
A transição à madura-idade
Em frenesi absoluto

Entro num dilema singelo
O qual me custa desvendar
Se com o tempo ela há de chegar
Ou s’ela segue em paralelo

Dispondo apenas como recurso
Minha empírica experiência
As nuances da vivência
Que se desdobram em percurso

Temo parecer novo
No papo dos mais velhos
Receio parecer velho
No papo dos mais novos

Assim, num errante desbravar
Que me leva a repetir
Fico entre o anseio de seguir
E o medo de ficar.


Guilherme Serafim


Um comentário: