25 de dezembro de 2009

Boas festas!

21 de dezembro de 2009

Colégio Público no CIFRAS CLUB *_*

É isso mesmo gente! Meu poema Colégio Público foi parar no CIFRAS CLUB! Sim, esse mesmo, da TERRA!

Nem me perguntem como, pois não sei. Só sei que foi enviado por um login anônimo 'anapinha'.

Pena que não usaram meu nome, no nome do Autor, mas sim, Racionais MC'S. o.O

Pensa que estou preocupado? Nenhum pouco, não faço poemas para ficar famoso, tampouco para ganhar dinheiro.

Ficam aqui meus agradecimentos ao ser 'anapinha', por me ajudar na divulgação do MEU poema.




http://letras.terra.com.br/racionais-mcs/1595357/

11 de dezembro de 2009

Regras e Exceções



Nem toda dupla é sertaneja
Nem todo alemão bebe cerveja
Nem tudo que é sobre está em cima
Assim como nem todo poema possui rimas

Nem todo japonês come peixe cru
Nem todo folk escuta Mallu
Nem todo jogo de cartas é de azar
Assim como nem todo namoro é pra casar

Nem todo rockeiro curte metal
Nem todo burguês é bossal
Nem todo enxadrista é nerd
Assim como nem todo jogo o Corinthians perde

Nem todo vassalo é fiel
Nem toda muçulmana usa véu
Nem todo gáucho toma chimarrão
Assim como nem todo gangster é sem coração

Nem todo xeque é mate
Nem todo cachorro late
Nem todo show tem palco
Assim como nem todo bebê usa talco

Nem toda bota é de couro
Nem tudo que reluz é ouro
Nem todo E.T. é de Marte
Assim como nem toda pintura é arte

Nem toda regra tem exceção
Pois toda regra tem exceção
Esta é uma regra e não tem exceção.
Logo, nem toda regra tem exceção.


8 de dezembro de 2009

Tributo à Bossa.


Que Coisa mais linda!
Ver andando com pés descalços
A Garota de Ipanema
Sobre As águas de março

Outra vez volto eu
num entoar Desafinado
mandar um Samba de uma nota só
sob o olhar daqu'Ele em cima do Corcovado

Ah! Que saudade fez um samba!
Era a alegria nossa,
Fica aqui minha homenagem a Vinicius e Jobim,
O meu tributo à Bossa.



Novo Enem. Ameaça ou progresso?

Durante todo o ano, vestibulandos ficaram apreensivos devido às mudanças imediatas do Enem, tendo de alterar a sua programação, dos cursos pré-vestibulares, das datas de vestibulares das universidades, enfim, um completo caos. O roubo das provas levou consigo a perca de tempo, da confiança, da estabilidade emocional dos candidatos, e estes, somados em 4 milhões, tiveram de se adaptar à nova data, aos novos locais de prova e retomar ao ritmo de estudo, sem desfocar-se de seu principal objetivo, conseguir uma vaga em uma universidade.

Tantas alterações assim, não poderia resultar de outra maneira, no sábado, 37,7% dos candidatos inscritos não compareceram aos locais de prova. Além disso, a desorganização se fez presente, pessoas abrindo as provas antes do horário previsto, pessoas que já terminaram a prova entrando em contato com as que ainda faziam. Até parece irônico,mas o tema da redação foi "O indivíduo frente à ética nacional".

Provas confusas, 180 questões complicadas, com grandes enunciados, com dupla resposta. E para se frustrar ainda mais, quando chega em casa, o candidato se depara a um gabarito errado.

Mais uma demonstração do descaso com o psicológico do candidato. Mais uma razão para o aluno não mais confiar nas ações do governo.

Administrando Vícios

6 de dezembro de 2009

A cinco horas da jornada


A cinco horas da jornada
Mandam que mudemos o mundo
Agora que o novo século começou
A calçada de casa está suja
O colarinho da camisa, suado
As contas atrasadas
E uma dor de cabeça insiste em incomodar nossa obsessão

A cinco horas da jornada
Mandam que mudemos o mundo

Já não temos os fios de cabelo da cor original
Os brancos começam a aparecer
Mas ainda não desistimos da mudança
O relógio é implacável
O tempo se esgota
Mas permanecemos com o pulso firme
E não temos expediente.

Terminal Guadalupe

4 de dezembro de 2009

Colégio Público




O cotidiano de um colégio público
É sempre igual
Repetitivo, monótono
Paradoxal

Aquela briga logo após o último sinal
Sempre se inicia por um motivo banal
A cobiça do namoradinho alheio
Ou uma desavença no futsal

É intervalo, e no sanguão,
A galera se senta
É hora da refeição
Arroz com ovo ou polenta
O bom mesmo é mingau
Mas aí a fila é bem lenta

A cancha, pequena e ensolarada
É o palco do Show da mulecada
Dribles, gols, arremessos e saques
É no esporte que surgem os destaques

Algumas meninas, ainda menores de idade
Logo cedo se deparam com a maternidade

Muitos, mal concluem o ensino médio
Saem por aí, pixando a parede dos prédios

Poucos sabem o nome da bibliotecária
Poucos pensam em seguir carreira universitária

O que fica é amizade
Aqueles que a gente nunca esquece
Algum ainda se vê, outro desaparece

O cotidiano de um colégio público
É sempre igual
Repetitivo, monótono, e,
Paradoxal.

Guilherme Serafim

3 de dezembro de 2009

Incertezas


Esta foi uma paródia que compus (é assim que conjuga?!) no terceirão, da música 'Será', do Legião, na matéria de Biologia da professora Caldas. O tema era "As teorias da evolução". Até que ficou engraçada, ainda mais junto com o "clipe" que eu e a equipe filmamos no sítio com os macacos! Bons tempos aqueles...E até que deu pra tirar uma boa nota.


Com tanta teoria assim
Tá difícil entender
A história de como surgi
Lamarck tenta esclarecer
Elaborou o Lamarckismo
"O que não usou se atrofiou"
Caracteres você pode herdar
Até nisso Lamarck pensou

Refrão:
Será? Que Darwin tem razão?
Será? Que Deus criou eu e você?
Será? Que viemos de Adão?
Será? Que o Criacionismo vai prevalecer?
Ôooooooooooo

O surgimento dos humanos
Darwin explica com convicção
As características
Através de uma adaptação
Que viemos dos macacos
Por uma natural seleção
Esse é o Darwinismo
A teoria da evolução

Refrão

Esperar pra ver
Acontecer
Quem que pode compreender?
Será que todos irão se esquecer?
Deus criou os animais,
Eu e você...



2 de dezembro de 2009

Um texto clichê.




Ah! Como estou farto destes clichês!
É assim todo mês
Estou cansado da mesmice
Parece até insensatez

Por que sempre no final o herói mata o vilão?
Pra que instigar-se entre a "razão e a emoção"?

Daquela casa onde ninguém podia fazer pipi
Jargões que circulam do "Oiapoque ao Chuí"

Dos clichês da hiprocrisia,
da campanha eleitoral
Da promessa de que tudo irá mudar
Chega! Isso é banal

Porém, existem clichês essenciais
Aqueles que não devemos esquecer jamais
Estes temos que repetir todos os dias
Eu te amo cada vez mais.

Guilherme Serafim